segunda-feira, 17 de agosto de 2015

Cantinho Do Pensamento !

todos os dias vai ter uma postagem relacionada a bagunça da minha mente pervertida, todos temos um pouco de sacanagem diárias as vezes temos pensamento impuros com as pessoas mais incomum, isso não tem nada de errado e apenas teu desejo trabalhando de forma que seu corpo deseja, quem já não se pegou olhando pra aquela amiga de anos e desejou um sexo gostoso (todos porem poucos tem coragem de confirma tal desejo ) abra sua mente afirme pra você mesmo que tal desejo existe dentro de você, assim fica mais fácil de conviver sem pensar que isso e errado ou pecado!

Pagando Chantagem do meu Irmão



Quem tem irmãos sabe muito bem como é dedurar um ao outro para os pais, adorava fazer isso quando mais nova com meu irmão só por gostar dele levando bronca e castigo. Hoje com 19 anos, não faço mais isso mas provei uma chantagem para não ser dedurada. Me considero bonita, magra e curvas proporcionais aos meu 1.65, cabelos longos e castanho escuro sempre me fizeram ser bastante paquerada apesar de ser do tipo que da fora.
Na sexta passada tinha um show em uma cidade vizinha que queria muito ir, meus pais não deixaram e mesmo assim fui, escondida rs. Dizendo que iria dormir na casa de minha amiga não imaginei que seria descoberta ainda mais pelo meu irmão. Chegando em casa no dia seguinte me intimou dizendo que sabia a verdade e que iria contar para nosso pai, desesperada implorei:
-Não faz isso por favor Felipe, faço que você quiser para que não conte. - Meu irmão me olhou pensou um pouco e disse que ia pensar.
Passei todo o sábado preocupada, Felipe dava risinhos irônico sabendo que eu estava em sua mão, na noite meus pais saíram para um encontro de casais e estranhamente F ficou em casa e não saiu já que é muito baladeiro. Já se passava das 21hrs quando ele abriu a porta de meu quarto de boxe preta e falou:
- Já pensei no que eu quero... - ansiosa para saber o que queria em troca de meu segredo me sentei na ponta da cama esperando ele falar. - Quero que você toque uma punheta pra mim.
Na hora gargalhei alto já imaginando uma resposta sarcástica para dá a sua brincadeira, mas seriamente meu irmão tirou seu pau ja duro da cueca apontado pra mim. Gelei na hora sem acreditar nisso, e fiquei com muito medo do que ele poderia fazer comigo.
- Anda logo Carol to afim de gozar, me alivia gatinha.
- Ta brincando ne Felipe? que nojo
- Nojo? ah para ate que é bonitinho - ele disse passando o polegar na cabeça rosa que já estava molhada - E aposto que teus namoradinhos não tinha um desse de 20 cm pra você.
Já nervosa com aquela situação me levantei dizendo que não faria, que tava maluco, que isso era pecado... E ele rapidamente ameaçou contar para meus pais. Parei sem saber o fazer, olhando para o Fe totalmente pelado em minha frente, com seu corpo malhado e depilado, sim ele era bem gostoso mas isso não me excitava de forma alguma, caminhei ate ele e me sentei novamente na cama, segurei ele hesitante e o puxei ate ficar em minha frente, Felipe veio ja gemendo com um simples toque.
Minha mão em volta daquele pau grosso e pulsando me deixaram com água na boca, e continuei as carícias leve por toda a extensão, Felipe movimentava os quadris literalmente fudendo minha mão, gemia e pedia para que eu não parasse, com a mão esquerda fui ate seu saco pressionando levemente ganhando gemidos de aprovação, subia e descia apertando com força seu pau, acariciava a cabeça rosa e brilhante que estava melada, a esse momento em que eu estava sobre controle não podia negar que estava gostando prova disso era minha calcinha molhada, ali não era irmãos fazendo algo errado, e sim dois jovens de 19 e 22 anos com os hormônios a flor da pele.
Masturbava ele como louca movimentos rápidos e duros tanto meu quanto dele, os gemidos deles se intensificavam mostrando que estava próximo, então tive a ideia de parar os carinhos sob seus protestos e levar minha boca para bem perto de seu pau que se mantinha duro, Felipe observava todos os meus movimentos já suado, dei um sorrisinho travesso e abri minha boca e levei minha lingua molhada ate a cabeça de seu pênis, fiz movimento circular e bem devagar sempre olhando para seu rosto para não perder sua reação, evidentemente surpreso Felipe olhava ansioso para o que iria acontecer, e eu com muita calma estava adorando o meu poder na situação.
Continuei as carícias lentas pela cabeça com a língua, agora o chupava como um pirulito, como se fosse o último da face da terra, minha mão continuava firme em seu mastro... Não demorou muito para que o Fe gozasse forte em minha boquinha onde recebi de bom grado. Enquanto seu corpo se acalmava pensei que definitivamente a noite não acabaria por aí

Tesão de Ménage!



Quando namorávamos sempre gostávamos de transar dentro do meu carro e foi assim que tudo começou, tudo mesmo sendo que fui o primeiro em tudo com ela em relação a sexo só não fui seu primeiro beijo, porém fui o primeiro a chupar seus peitos, o primeiro a acariciar sua bucetinha o primeiro pau que ela pegou na mão, o primeiro pau que ela chupou, o primeiro e único (ao menos por enquanto) pau que entrou entre suas pernas e o primeiro e único a entrar no seu rabinho gostoso.
Lu é uma baixinha de 1 metro e 55 centímetros de Altura com 58 quilos bem distribuídos num belo corpinho com coxas grossas bunda avantajada, branquinha cabelos castanhos na altura dos ombros, enfim muito gostosa e brava.... Kkkk.
Teve criação no sítio e veio para cidade depois dos 12 anos com criação de família humilde, porém muito rígida com horário para estar em casa e dia para poder sair.
Bom minha história com ela começou quando ela tinha 17 anos onde a conheci e depois começamos a namorar.
E depois de certo tempo de namoro e de transas calorosas certo dia assisti a um filme no extinto cine prive da TV Band de nome "limites da sedução" e foi através desse filme que começou meu fetiche em ver minha Luzinha com outro homem.
Porém não tinha como eu falar pra ela do meu desejo devido à criação dela e que certamente me acharia maluco.
Certo dia durante uma de nossas loucuras dentro de meu carro Lu me fez uma bela chupeta em frente a casa dela e durante o ato passou um rapaz pela rua e não sei até hoje se ele viu alguma coisa, porém ela se assustou e foi a partir dai que começamos a conversar a respeito de fantasias sexuais, ela me disse que tinha vontade de transar numa escada, dentro d'água, etc, e eu então comecei a testar ela dizendo que gostaria de transar com gente olhando ou ser surpreendido por alguém essas coisas.
Não senti grande interesse da parte dela no meu assunto, mas ai sempre conversamos a respeito de fantasias e então um dia disse que tinha uma curiosidade em dividir uma mulher com outro cara, ela disse que isso era muito depravado pra ela e eu lógico respeitei sua opinião.
Um belo dia estávamos namorando em uma estrada de terra e então resolvemos transar no capô do carro e então deixei Lu peladinha e a noite estava clarinha devido a Lua o que dava pra ver tudo muito bem e então transamos durante um tempo do lado de fora do carro e quando percebi tinha um cara passando a pé ao nosso lado, nem deu tempo de reação e como estava clarinho tenho certeza que ele viu tudo.
A Lu ficou tão assustada que nem deu pra fazer nada, pois ela me abraçou e ficou olhando o cara passar.
O cara passou e seguiu seu caminho, pois com certeza era morador de algum sitio na região e enquanto a gente ficou ali se recompondo e eu rindo da situação e ela meio apavorada com medo do cara conhecer a gente, e eu acalmando ela, e foi aí que ela me revelou que ficou com medo de eu chamar o cara pra transar com ela.
Eu disse que nunca teria coragem de fazer uma coisa dessas com ela sem seu consentimento e então começamos a conversar a respeito do meu fetiche de novo e ela me disse que era muita depravação pra ela transar com outro e comigo e que tinha medo de ter que fazer uma dupla penetração e machucar ela, e eu disse que não era isso especificamente que eu queria e que se fosse apenas pra eu foder ela e ela só chupar outro cara já seria ideal pra mim e foi ai que me surpreendi com a resposta dela dizendo que se fosse assim até poderia ser.
Nossa meu pau endureceu na hora e então a peguei novamente dentro do carro e comecei a despi-la, chupei sua buceta ferozmente passamos para o banco de trás a coloquei de quatro e soquei meu pau com firmeza pra dentro dela que soltou um gemido alto e então comecei a estocá-la por trás num vai e vem e coloquei meu dedo em sua boca e ela passou a chupar e daí gozei como um cavalo dentro dela tanto era meu tesão.
Ela notou meu êxtase pelo ocorrido e então ela me perguntou se eu teria coragem mesmo de a deixar ela chupar outro cara e eu respondi que não era só por sexo e que ela não era qualquer uma e que eu queria realizar minha fantasia com ela e não com uma qualquer da rua.
Daí em diante nossas transas foram mais quentes e inclusive passei a fazer sexo anal com ela.
E então fiquei com aquilo na cabeça, será mesmo que vou realizar meu fetiche com ela?
Um dia durante uma de nossas conversas sobre vontades sexuais perguntei a ela se além de mim quem ela teria tesão e pra minha surpresa ela depois de relutar em falar se abriu e disse que seria um amigo nosso.
Mas eu não pude fazer nada a esse respeito, pois aqui a cidade é pequena e não poderia deixar fazer uma coisa assim com conhecidos.
Então pensei comigo, que um bom caminho já havia trafegado e que já estávamos na hora de testar o pudor dela, comprei um conjunto espartilho vermelho um sapato de salto e levei-a a minha casa um dia que meus pais estavam viajando e tirei fotos dela de todo jeito com a roupa e sem ela também tirei foto dela me chupando e transando comigo, guardei as fotos bem guardadas maquiei as que não fossem comprometedoras e parti pra net procurar alguém que se encaixasse em um perfil e que se contentasse em apenas ser chupado por minha gatinha enquanto eu a fodesse.
Conversei com muitos e confesso muitos caras mesmo e foi muito difícil encontrar alguém descente que preenchesse os requisitos.
A net esta cheia de gente que só quer saber de meter e não se preocupa com o outro lado e só pensa em si próprio,,,, pretendente achei milhões porem em duas conversas já perdia o encanto, pois muitos caras que se acham os maiores garanhões da net não sabem nem conversar direito, e não sei como pode ter gente que ainda saia com esses tipos de gente.
Mas vamos la um dia consegui o contato de um cara no bate papo UOL e após trocarmos e-mail despertou curiosidade em conhecê-lo melhor.
Pelo Skype conversamos certo tempo expliquei toda minha historia pra ele soubesse que teria que haver consentimento dela e que talvez ela não aceitasse de cara e que teria que ter paciência para não assustá-la de vez.
Um dia conversei com ela e expliquei o que havia feito e disse que já tinha achado a pessoa certa pelo menos no comportamento para realizar minha fantasia com ela. Ela ficou P... da vida em saber que mostrei fotos mesmo que sem rosto para o cara, porém senti que ela ficou curiosa em saber quem era.
À noite no horário marcado liguei pro cara e depois nos vimos pelo Skype onde ele a viu e ela viu ele e não despertou muito interesse pela aparência do cara que se chamava Claudio, mas Claudio ficou louco ao ver ela, fez vários elogios.
Conversamos um bom tempo e após desligar o PC Lu me disse que não tinha achado Claudio bonito, mas que realmente ele era muito legal.
Claudio é um cara branco meio calvo 1 metro e 70 de altura, magro, segurança de uma empresa de proteção de valores.
Conversei bastante com Lu a respeito do fato e então ela me disse que aceitaria, mas que ele tinha quer vir vestido como segurança.
Passei a condição a Claudio que logicamente aceitou e então marcamos a tão sonhada data, deslocamos a uma cidade a 100 quilômetros da nossa e Claudio viajou 300 quilômetros da dele e marcamos em uma lanchonete da cidade combinada.
Nos encontramos e Lu morrendo de vergonha e Claudio como sempre bem atencioso em nenhum momento se fez inconveniente.
Depois de nos conhecermos melhor fomos até uma pracinha onde conversamos mais ainda e ele como disse atendeu minhas expectativas, pois em nenhum momento fez comentários impróprios ou tentou acelerar as coisas sempre bem atencioso e nos deixando muito a vontade.
E então lá pela meia noite e meia resolvi acender a idéia de irmos pra um lugar mais tranqüilo, Lu ficou sem jeito me agarrou forte o braço onde percebi seu nervosismo, pois suas mãos estavam geladas, suando e tremulas.
Fomos andando em direção ao carro e fui sentindo o nervosismo da Lu, e então saí meio de lado com ela e disse:
_ vai?
Ela respondeu
_Aí não sei to com medo e com vergonha
Eu disse
_ Se quiser desistir não tem problemas, te amo assim mesmo e nada muda.
Ela disse
_Vou tentar, mas to com vergonha de tirar a roupa com você na frente dele.
Eu respondi,
_ Sem problemas, eu não faço nada, você só chupa ele se quiser.
Ela respondeu então tudo bem.
Saímos dali e seguimos ao carro Claudio foi no banco de trás e pairou aquele silencio de nervosismo no ar durante o percurso até o motel, Lu cada de vez mais nervosa, suas mãos suavam agarradas a minha e então escolhemos a suíte 11.
Chegamos a o quarto e me deitei na cama e então Lu sentou-se próxima a mim e Claudio sentou em uma cadeira, fomos então conversando e eu acariciando os braços da Lu e após algum tempo de lenga lenga a puxei para mim e comecei a beijá-la, pois meu pau já estava para explodir.
Desabotoei seu short e tentei enfiar a mão, porém ela não deixou e continuou me beijando, então a beijei com mais fogo ainda tirei meu pau pra fora e levei sua mão até ele.
Chamei Claudio para aproximar-se e ele sentou-se ao lado de Lu e então colocou a mão no ombro dela e ela ficou de frente pra mim e de costas pra ele que começou a fazer uma massagem nela e foi deslizando suas mãos em seus ombros e pescoço até que conseguiu acariciar seus peitos por traz.
Quase gozei em ver a situação fui puxando o short dela e a deixando só de calcinha e deitamos ela na cama, fui acariciando o corpo tremulo dela e tirando a calcinha de lado dando lambidinhas em sua buceta enquanto Claudio já com o pau pra fora acariciava os peitos dela e ela segurava seu pau.
Eu estava louco de tesão já não aguentava mais aquela situação e pensei em foder ela só que eu sabia que se fizesse isso eu não ia aguentar e iria gozar logo e fiquei com medo de bater o arrependimento e então continuei a chupá-la com vontade e quando olhei pra cima vi Claudio aproximando seu pau do rosto da Lu e então vi quando ela abriu a boquinha e começou a chupar o pau dele.
Fui às nuvens e voltei, minha fantasia estava realizada, e agora? Como continuar
Eu estava anestesiado de tesão vendo minha baixinha abocanhar o cacete daquele cara, logo fui com meu cacete até a boca dela também e a coloquei a me chupar também, ela com os olhinhos fechados uma mão segurando meu pau e a outra segurando o pau do Cláudio, hora chupava o meu hora o dele foi ai então que deixei os dois ali e sentei na cadeira de frente pra eles e Cláudio entrelaçou sua mão nos cabelos de Lu, e estocava firmemente sua rola na sua boca no movimento de entra e sai fazendo-a babar, ele extasiado dizia o quanto estava bom o boquete e como ela chupava gostoso.
Eu me masturbando olhando a cena Cláudio em pé sobre a cama em sua frente e Lu de joelhos abocanhando seu pau naquela visão de submissão pura por parte dela engolindo a pica até onde conseguia arrancando urros de prazer daquele homem que continuava a elogiar aquele boquete e de repente vejo a respiração se Cláudio aumentar e anunciou seu gozo que encheu a boquinha de minha amada de porra que cuspiu tudo pra fora limpando o que restou do leite no lençol.
Cláudio extasiado sentou-se na cama enquanto Lu foi ao banheiro e eu fui atrás e enquanto ela lavava sua boca na pia a agarrei por trás coloquei-a de quatro sobre a beira da banheira e a estoquei com força na buceta dando-lhe bombadas fundas agarrado em sua cintura até que enchi sua gruta com meu gozo.
Quando olhamos para trás vimos Cláudio se masturbando e pedindo para entrar na festa,, eu já esfalecido pela recente gozada disse a ele pra ir em frente e ele quis se posicionar atrás de Lu, porém ela se levantou retrucou que não queria fazer com ele assim e que se quisesse ela chupava ele de novo, mas trepar só comigo.
Fiquei orgulhoso pela resposta e neste momento Cláudio foi mais ríspido com seu linguajar dizendo:
_Então mama logo aqui na minha rola sua piranha, quero que engula tudo agora.
Lu olhou pra mim e eu fiz um sinal de você quem sabe e ele já a pegou pelo braço e a posicionou sentada no vaso do banheiro enrolou todo o cabelo dela novamente nas mãos e disse pra ela abrir bem a boca.
Cláudio enfiou a rola até onde deu fazendo Lu engasgar retirou o pau pra fora e com voracidade enfiou de novo quase a fazendo vomitar, ela então disse pra ter calma, mas ele batia o pau na sua cara e dizia.
Abre bem a boca e quando o meu pau estiver entrando você coloca a língua pra fora que o pau vai la na sua garganta, vou gozar la dentro já que não me deixa comer você sua puta.
Lu meio assustada (vi em sua expressão) recolocou o pau na boca e engoliu até onde conseguiu e desta vez Cláudio a segurou na nuca alguns segundos a fazendo perder o fôlego.
Voltei a ficar excitado com a situação Cláudio olhava a buceta de Lu como um animal olhando a carne fresca e tentava colocar sua mão, seus dedos, mas sempre era impedido por ela.
Cláudio ficou um tempo naquela situação, e não gozou a deixando sentada no banheiro e ela foi tomar banho no chuveiro, enquanto isso Cláudio me dizia que respeitava a nossa posição, mas que se pudesse queria trepar com ela pois era impossível não desejar comer aquela baixinha.
Eu respondi que se ele quisesse poderia tentar mais uma vez no chuveiro porém se ela não quisesse eu não iria forçar.
Cláudio foi até o chuveiro com a jeba de pé, deixei os dois sozinhos pra ver no que dava, mas eu só ouvia a voz da Lu dizendo não e não.
Lu saiu do banho enrolada na toalha e foi até a cama onde eu estava e veio de quatro como uma felina olhando pra mim e foi até meu pau onde começou a chupá-lo.
Ao perceber a presença de Cláudio nos olhando, Lu que estava com o rabão virado pra ele parou de me chupar olhou pra ele com uma carinha de safada deu um sorrizinho maroto, lambeu meu pau ainda olhando pra ele e engoliu todo meu pau até a base.
Cláudio veio que nem um cachorrinho no cio posicionando atrás dela que parou de me chupar olhou novamente pra ele e deu uma reboladinha sacana a pouco mais de 10 centímetros do pau ereto dele que até eu achei que era a ordem pra ele fude-la sem dó, mas quando ele foi se ajeitar pra enterrar ela fugiu pra frente deixando ele babando de novo, que a chamou de safada e sacana.
Ela com carinha de safada apontando o dedo na boca disse a ele.
-você é só aqui, ali é só meu marido.
Cláudio a puxou pelos cabelos tirando-a do meu colo levando novamente sua boca para o pau dele que sem resistência o abocanhou novamente levando ele ao delírio.
Lu chupava o pau de Cláudio e eu a fodia por trás e então senti quando ela se envergou pra trás e gozou no meu pau gemendo de excitação.
Cláudio a puxou novamente pra ele enfiou o pau na boca dela, tirou pra fora de novo e esguichou sua porra no rostinho dela.
Lu limpou e excesso na toalha e foi se levantando me puxando pela mão até o banheiro de novo onde ficou de quatro novamente na banheira e pediu.
-Me come gostoso.
Enfiei meu pau até o fundo daquela buceta molhadinha senti ela gozar mais duas vezes antes de encher sua gruta de novo.
Tomamos banho pagamos a conta e fomos até uma lanchonete e em seguida levamos Cláudio até um hotel onde ele iria ficar até o outro dia quando tomaria o ônibus de volta a sua cidade.
Nos despedimos em frente ao hotel e seguimos pra nossa cidade e nunca mais encontramos Cláudio pessoalmente apenas de vez enquando no Skype e ele sempre pede bis, mas acho que por enquanto estamos bem, e nossa vida sexual mudou 100%, fazemos sexo quase todos os dias agora e sempre com muito fogo.

A Forma que você me fez!



Empresária, 26 anos, Baiana de Pai e Gaúcha de Mãe, essa sou eu. Branca, 1,72m de altura, 61 kg, possuo cabelos compridos castanhos e lisos, seios grandes com próteses de silicone e uma bunda de baiana, se é que voces me entendem. Danço desde os 8 anos e essa é uma das minhas paixões.
Me apaixonei perdidamente por um dos meus leitores e me entreguei. Ele é um homem intenso, alto, olhos verdes e me faz delirar de prazer. Quando via apenas suas fotos, me masturbava constantemente chamando seu nome: Gabriel. Pelo telefone, gemia dengosa, imaginando ser tocada e possuída de todas as formas por ele.Nos meus sonhos, Gabriel aparecia e sempre que acordava, estava toda molhada de tesão.
Apesar de ser um cavalheiro e muito educado, o jeito de homem do Gabriel me deixava maluca. Ele sabia a hora certa de me tratar como uma princesa e a hora exata de me tratar como uma puta. Ele sabia beijar minha mão em um jantar elegante, bem como tocar minha bucetinha por baixo da mesa. Nunca nenhum outro homem, me fez sentir dessa maneira. Me lambia gostoso de madrugada...me fazia gozar gritando e depois me abraçava de conchinha. Como não me apaixonar?
Cansou de dormir, mamando em meus seios enquanto eu masturbava seu cacete rígido. Me dava leitinho na boca de manhã cedo e me fazia sentir uma vagabunda. Ate hoje minha buceta pisca ao lembrar desses momentos.
Certo dia, veio me visitar de surpresa. Me abraçou na porta, com as mãos em meu quadril e sussurrou no meu ouvido: Vim comer seu cuzinho, minha puta!
Meu corpo estremeceu e minha bucetinha escorreu nesse instante. Segurando meus cabelos com força, levou-me ao chão da sala e no tapete me colocou toda aberta. Mamou minha buceta e me fez gozar com a boca. Chupou meus seios e me fez arrepiar. Forçou-me a pedir:" me enraba? Come o cu da sua cachorrinha?".
Fui obrigada a ficar de quatro, enquanto seus dedos levavam meu gozo ao buraquinho do meu cu. Minha buceta soluçava como se estivesse pedindo. Senti a cabeça da pica do Gabriel forçando a entrada do meu cuzinho. Em poucos segundos, sua caceta estava completamente dentro e ele bombava com força sussurrando palavras baixas em meu ouvido. Gemia e tremia de tesão, quando ele me segurava pelos seios de quatro, para empurrar seu pau todo em meu cu. Em outros momentos, enquanto me enrabava, tocava uma siririca gostosa em minha bucetinha, que contraía em espasmos deliciosos.
Gabriel sabia como eu ficava tarada para dar a buceta a ele. Muitas vezes, acordava com a pica dele toda dura, já me penetrando. Quando saíamos, ele me masturbava enquanto dirigia. E ficava louco ao ver sua cachorrinha se contorcer no banco do carona...gozando apenas com seus dedos.
Alguns homens, simplesmente sabem ser homens. Sabem ser cavalheiros, carinhosos e sabem colocar uma mulher para gozar gritando e gemendo do jeito que ela gosta. E o Gabriel era assim.
A parte da nossa história, que não sai da minha cabeça, aconteceu aqui na Bahia. Ele tinha vindo passar as férias na minha casa e transamos em todos os cômodos.
Tínhamos combinado de sair e eu providenciei um lindo vestido, soltinho e romântico. Ao descer as escadas do meu quarto, Gabriel estava me esperando na escada, da parte de baixo da casa. Abraçou minhas pernas, chegou minha calcinha para o lado e me fez gemer com sua língua. Sentei-me em um dos degraus e ele mamou minha buceta alucinado. Em segundos, eu já estava sem calcinha e nossa saída tinha sido cancelada.
Fiquei de quatro pra ele na escada...com os joelhos em um degrau e as mãos no outro. Senti a língua dele mergulhar em minha buceta por trás e chupar com vontade. Eu rebolava como uma prostituta e gemia com voz de cachorra. Gabriel se encaixou atrás de mim e preencheu minha buceta. Adorava sentir e fechava os olhos sem perceber, sempre que o pau do Gabriel deslizava sumindo em minha bucetinha. Puxava meu cabelo e fodia. Não foi uma foda normal, ele se descontrolou de tesão. Meteu devagar e gostoso, mas seguiu enfiando com vontade. Bombava com força..me xingava de piranha, cadela, putinha...e me fez gozar gemendo alto.
Me virei de frente...sentei no degrau e coloquei seu pau entre os meus seios. Aquela espanhola, fazia minha buceta escorrer de tanta excitação. Adoro ter os seios grandes, porque me excita colocar um pau duro entre eles, movimentando gostoso em um vai e vem enlouquecedor.
-"Chupa sua vagabunda! Bebe..bebe tudo!"
Eu nao poderia recusar uma ordem daquelas e mamei gostoso. Chupava com força e lambia as bolas. Colocava o cacete todo na boca e tirava de vez. Batia uma punheta, lambendo o saco todo. Ouvia os urros de tesão do Gabriel e os murros na parede. Mamei só a cabeça gemendo devagarzinho. Suguei gostoso até tomar leitinho na garganta.
Quanta saudade!

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

EU E MINHA AMIGA DENISE


Trabalho a 3 anos com minha contadora chefe Denise, ela é que fica no escritório central das minhas lojas aqui no Rio,
recebemos por computador todos os lançamentos das outras lojas e o balanço mensal, e ela é a responsável por fazer o balanço final
mensal do meu grupo de lojas...Denise é casada e já tem 2 filhos, um lindo casal, uma menininha de 2 aninhos e um garoto de 4 anos,
ela tem 33 anos mas mesmo sendo mãe é magra e linda, e os homens dizem que ela é muito gostosa, tou sempre escutando os comentários:
"que mamãe gostosa!!!" e dou um sorriso...sei que os homens falam de mim também, e algumas mulheres tambem!!!
            Sempre notei que Denise me dava olhadas de mulher com desejo por outra mulher, mas como sabia que ela era hétero, e ela
sempre fazia questão de deixar isso bem claro...que ela era bem definida sexualmente e que só gostava de homem!!! por isso não dava
muita atenção e falava sempre sobre trabalho com ela, ou sobre machos pirocudos de pegada forte, coisa que ela gostava e muito!!!
Ficava até meio sem jeito de falar de minhas "amigas" com ela pois pensava que ela não iria se interessar, mas ultimamente foi o
contrário, ela me perguntava se eu estava ficando com outras garotas e coisas assim, e me pedia pra contar com detalhes!!! achava
aquilo meio estranho da parte dela, até que um dia depois de detalhar pra ela uma transa minha com outra mulher, ela suspirou e já
alisando a xaninha por cima da roupa falou: "gostaria de ser eu no lugar dessa mulher!!!" fiquei um pouco impressionada com aquela
reação da parte dela, e por dizer aquilo em voz alta!!! dei um sorriso pra ela e voltamos a trabalhar...
            Passado algum tempo e eu sentindo o maior interesse da Denise em conversar comigo sobre mulher, como é a sensação de 2
mulheres se alisando e se beijando numa cama...coisas assim...até que sentindo o enorme interesse dela cada vez maior, numa tarde
num dia de trabalho, estava sozinha em casa e chamei a Denise pra ir até meu apartamento comigo, disse que seria pra batermos papo
sobre mudanças futuras que gostaria de fazer nas lojas e na contabilidade, mas não queria que ninguém escutasse, portanto seria
melhor conversarmos no meu apto...ela topou e depois do almoço, eram por volta de 2:30 da tarde, nos dirigimos pro meu apto no meu
carro, senti que ela estava muito nervosa me perguntando sobre o que era, pra eu adiantar o assunto, mas senti também que ela tava
muito nervosa pelo fato de ficar sozinha comigo no meu ap...
            Chegamos e parei o carro na garagem e subimos...ela bem nervosa, sentamos na sala e comecei a falar sobre negócios, eu
tava com certo receio de ir direto ao ponto e ela se ofender...mas numa determinada hora resolvi arriscar, falei: "Denisinha, trouxe
vc aqui porque tenho notado seu interesse em transas de 2 mulheres, e sinto seus olhares de desejo por mim, o que vc tem a dizer???"
ela ficou meio sem jeito e foi falando: "então, não tá dando pra disfarçar, sempre fui hétero e sempre fiquei longe de chegar perto
de contato com mulheres, mas desde que fui trabalhar com vc passei a sentir atração por vc, mas ultimamente não tá dando mais pra
disfarçar!!!" eu perguntei na lata: "vc me quer???" ela ficou muda me olhando com um olhar de super desejo e de super vontade, eu
então decidi tomar atitude mais ativa, estávamos sentadas no sofá lado a lado, segurei sua cabeça e me aproximando dei um beijo de
lingua nela, ela me agarrou e era como se toda aquela tesão contida estivesse explodindo naquele momento, nos beijamos por um longo
tempo e fui alisando seus seios por cima da roupa, ela fez o mesmo comigo, paramos de nos beijar e ela falou: "Soninha, nunca senti
tanto tesão na minha vida por uma pessoa como estou agora sentindo por vc!!!" e nos beijamos de novo...nos levantamos e fomos pro
meu quarto de meninas, uma linda cama de casal enorme sob-medida, o quarto é rosinha clarinho e tudo tem detalhes bem femininos, fui
tirando sua roupa e ela foi tirando a minha...ficamos peladinhas e ainda de pé voltamos a nos beijar num abraço bem apertado, fui
deitando Denisinha na cama e nos beijando de novo fui alisando seus seios e biquinhos durinhos, parei de beijar e fui descendo pros
seus lindos seios e biquinhos lindinhos, comecei a lamber e alisar sua xaninha hiper enxarcada de melzinho, só com meu toque de mão
ela já teve seu 1º orgasmo gemendo muito, fui descendo a língua lambendo sua barriguinha e um umbigo até chegar na grutinha delicada
e lindinha da Denise, comecei a lamber de cima em baixo, e ela gemendo alto dizendo: "me chupa Soninha, sou toda sua, me chupa, me faz
gozar na sua linguinha minha querida" e fui chupando o grelinho e ela encolheu as pernas e fui lambendo seu cuzinho e voltei pro seu
grelinho e fui enfiando um dedinho no seu rabinho, ela gemia e se contorcia de tanto tesão, teve 3 ou 4 orgasmos comigo chupando seu
grelinho durinho...parei um pouco pra ela relaxar de tanto gozar e sentir prazer...
            Me deitei do lado dela e ficamos nos beijando e fazendo carinhos uma na outra, então pedi pra ela: "Denisinha, tambem quero
gozar na sua linguinha querida, me chupa gostoso mulher, me lambe todinha, chupa meu grelinho" e ela foi lambendo meus peitinhos e foi
alisando minha bucinha molhadinha, comecei a gemer com os toques dela, Denisinha foi então descendo e começou me dando beijinhos na minha bucetinha, ela então meio sem jeito foi me lambendo devagar de cima em baixo e metendo a linguinha dentro dela pra sugar meu melzinho,
ela então começou a chupar a minha bucetinha, logo pegou o jeito e parecia uma profissional do sexo, como ela me chupou gostoso, tive
2 ou 3 orgasmos seguidos naquela linguinha deliciosa...ela depois se deitou do meu lado e ficamos nos beijando e fazendo carinhos uma
na outra...disse a ela que foi tudo delicioso, pensei em pegar um consolo pra comer ela e ela me comer, mas ela disse que o sonho dela
tinha sido muito melhor do que ela sempre imaginou com outra mulher...ela me disse que ainda adolescente uma colega havia beijado ela
na escola e que a diretora ficou sabendo e chamou seus pais que contaram pra família toda, enfim, ela disse que sempre quis ficar com
outra mulher mas tinha esse trauma da adolescência e só agora conseguiu superar...nos vestimos e voltamos pro trabalho...Denise me
disse que contou pro marido e que ele deu a maior força, só insistiu que ele queria me pegar também.

A Gordinha Gostosa filha do meu chefe !




Eu me deitei na cama, ansioso pelo cumprimento da proposta indecorosa que recebi. Sibele estava no banheiro e segundo ela, iria se aprontar pra mim. Ela disse que eu me deitasse na cama e que ficasse exatamente como estava: roupa social, sapatos e gravata. Naquele dia tivemos uma reunião importante com algumas figuras da empresa, o que tomou praticamente o dia inteiro de trabalho. Lá mesmo, na sala de reuniões, Sibele me passou uma mensagem de texto combinando a hora e o lugar que nos encontraríamos. E lá estava eu, ansioso, esperando que a putinha filha do chefe saísse do banheiro. Mas qual era a tão aguardada surpresa?
Enquanto eu aguardava, liguei a TV do quarto do motel. Claro que só filmes pornôs passavam e era isso mesmo que me interessaria. Num canal uma mulher chupando um pau que devia ter uns 25 cm de cumprimento! Ela se lambuzava, batia com a cobra gigante na cara, cuspia e foi assim até o negrão derramar um litro de porra na cara dela! Que absurdo! No outro, uma oriental era atolada no cuzinho por um carinha que não parecia ter nem 18 anos de idade. Nunca vi uma oriental tão satisfeita em levar rola no cú. E fiquei vidrado nesse filme em particular, olhando pra cara de satisfação da oriental tomando pau na bunda. Ouvi a porta do banheiro se abrir então desliguei a TV.
Sibele saiu do banheiro, lentamente e olhando pra mim com uma puta cara de safada. Ela usava um corpete vermelho, muito sensual. Seus seios fartos pareciam saltar pra fora, mas estavam controladamente firmes na peça. Uma cinta-liga da mesma cor, presa a uma meia-calça preta, mas quase transparente. Salto alto vermelho também e uma calcinha preta, pelo jeito muito pequena. Pedi pra que ela girasse o corpo, pra eu poder ver melhor o conjunto todo. Ela ficou de costas, empinou um pouco o corpo e pude perceber que decididamente era uma calcinha minúscula. Lentamente ela veio caminhando em minha direção e eu ali deitado, esperando ansiosamente pelo momento que ela tivesse ali na cama.
Lentamente ela subiu na cama, veio por cima de mim e me deixou tonto de prazer com o seu perfume. Parecia coisa vinda do céu. Apoiada nos braços, ela ficou parada por alguns instantes, olhando pra mim. Eu olhava o seu corpo, dando uma atenção especial aos seios grandes que pareciam estar endereçados à minha boca. Tentei abocanhar, mas Sibele tirou com uma extrema habilidade. “Não, não, não… nada disso!” – Disse ela. Então relaxei e fiquei quieto e em silêncio.
Sibele lentamente passou a ponta da língua nos meus lábios. Seus olhos ardiam numa chama intensa de prazer. O toque de sua língua faziam meus pelos ouriçarem. Tinha a sensação de frio na barriga a cada poucos segundos. Ela passou a língua pelo queixo, pescoço e foi até minha orelha. Mordeu de leve o lóbulo e cochichou: “Vou te levar à loucura hoje!”.
Lentamente ela foi abrindo minha camisa. Tirou a gravata, a colocou perto de suas pernas. Abriu botão por botão, lentamente. Depois abriu bem a camisa, deixando meu peito completamente exposto. Começou beijando meu umbigo e foi subindo até meus mamilos. Passou apenas a ponta da língua, me arrancando suspiros altos. Mordiscou de leve, o que causou um pequeno incômodo. Mas nada insuportável. Beijou-me novamente na boca, enfiando sua língua quente o mais fundo que pode. Tentei abraçá-la e envolvê-la em meus braços, mas fui impedido por ela. Com uma cara de brava, pegou a gravata, alisou a peça e disse: “Vou ter que prender meu menino mal!”
Como a cama não tinha cabeceira, ela amarrou meus punhos. Uma mão presa à outra. Nada forçado, apenas para deixar claro que naquele momento eu estava preso. Ela então foi descendo, beijando novamente meu peito, indo até o umbigo. Parou no cinto e lentamente foi o tirando. Jogou no chão, longe dali. Abriu o botão da calça, desceu o zíper e começou a beijar meu pau, por cima da cueca. Eu estava em estado de êxtase total. Ela percebeu e brincou com o membro teso. Passou a língua, sujando minha cueca branca de batom. Claro que ela seria descartada logo que saíssemos dali. Então ela começou a tirar a calça, lentamente. Fiquei então quase nu, apenas de cueca, meias e camisa. E agora?
Sibele estava me levando a um tipo de prazer que até então eu não conhecia. Sempre fui o dominador, sempre estive no controle. Mas naquele dia eu seria o seu brinquedo. Seria usado por ela, descontado as vezes em que a falta de sensibilidade tão comum nos machos, me fez possuir o sexo oposto para somente o meu prazer. Hoje eu iria aprender a dar prazer, sem esperar nada em troca.
Ela voltou pra cima de mim. Tirou lentamente a minha cueca, exibindo meu mastro ereto em posição de ataque. Pronto pra batalha, pronto pra ser usado. Mas não naquele momento. Sibele subiu no meu corpo, virando de costas pra mim. Sentou no meu peito, com aquela bunda enorme coberta apenas por uma calcinha preta finíssima! De tão fina, que era possível ver com total nitidez o seu cuzinho delicioso piscando pra mim. Tentei alcançar sua bunda com a boca, mas ela mostrou-se cheia de reflexos, tirando a bunda do meu alcance. Ela então passou a brincar com a pequena peça, se mostrando pra mim. Enfiava os dedos na calcinha, puxando de um lado para o outro. Vez ou outra sua boceta ou seu cuzinho eram descobertos da peça, me deixando maluco de tesão, louco pra cair de boca naquele corpo. Mas ela rebolava, se mostrava, puxava com tanta força a calcinha, que ela estava quase arrebentando no rabo enorme dela. Então ela foi se afastando pra trás, ou seja, na direção da minha cara. Foi quando ela finalmente enfiou a bunda na minha cara. Ou vice-versa, não sei dizer. Simplesmente ela sentou na minha cara, me deixando sufocado pelo seu corpo em cima do meu. Sentia o cheiro da sua boceta me sufocar deliciosamente. Ela começou a pular na minha cara e eu com a língua estirada, tentava sem muito sucesso, fodê-la com a língua.
Sibele então parou de pular. Agora ela abria sua bunda com as duas mãos, fazendo com que sua boceta ficasse completamente arreganhada pra mim. Minha boca então pode desfrutar do seu delicioso sabor, bebendo o mel que escorria em abundância dela. Quando mais a língua a tocava, mais ela abria a bunda. Seu cuzinho era completamente visível pra mim, mas como as mãos estava amarradas, eu não conseguia alcançar sua bunda. Mas conhecendo bem a Sibele, sei que ela adora uma língua no cú. E logo ela esfregava não apenas a boceta, mas seu cuzinho também na minha boca. Sibele rebolava feito uma desesperada, com rapidez. Meu pau completamente duro, babando de tesão, era apenas segurado por ela. Sibele não aguentou e gozou na minha boca, deixando meu rosto todo melado. Safada como ela só, Sibele saiu de cima de mim e foi até o meu rosto conferir o seu orgasmo. Sibele lambia o meu rosto, aproveitando do gosto da sua própria boceta na minha cara.
Achando que agora seria a minha vez, eu fiquei todo eufórico. Mas ainda não. Sibele subiu novamente em mim, sentando na minha cara só que de frente pra mim. Passou a rebolar, enquanto a minha língua trabalhava. Sibele apertava os seios enormes, gemendo alto e me xingando, dizendo pra eu foder sua bocetinha. O tesão só aumentava e como as minhas mãos tinham ficado pra baixo, aproveitei pra me punhetar bem gostoso. Sibele novamente gozou, lambuzando minha cara e repetindo o ritual de lamber minha cara. Que putinha safada!
Depois disso deixei de me preocupar com o meu prazer. Passei a entender que dar prazer a alguém, proporcionava a mim um prazer muito grande. Mas Sibele também pensava igual e o meu “castigo” chegara ao fim. Lentamente ela foi saindo de cima de mim, escorregando seu corpo como uma cobra. Virou-se de frente pra mim, mas com a cabeça bem pertinho do meu membro teso. Olhou pra mim com aquela cara de vadia safada e abriu minhas pernas. Então começou a lamber meu saco, descontroladamente. A sensação era algo indescritível. Eu olhava pro seu rosto enfiado entre minhas pernas, me lambendo e sugando as bolas e me excitava cada vez mais. Ela se deteve a ficar apenas nas bolas, enquanto a mão direita ensaiava uma punheta leve.
Sibele me deixava cada vez mais louco e soltou minhas mãos. Pegou a gravata e começou a brincar com a peça, enrolando ela no meu pau. Então me mandou ficar de pé. Obedientemente me pus assim como ordenado. Ela se ajoelhou na cama e se enfiou embaixo de mim, com a cara enfiada nas bolas. A boca não parava, a língua era insistente e o meu prazer não se esgotava. Ela pendurou a gravata e segurando o membro, passou a batê-lo no seu próprio rosto, demostrando sua total submissão. Ela então soltou o pau, indicando que queria apanhar com a vara. Então segurando o cacete, comecei a bater no seu rosto, na boca, esfregando o pau melado na boquinha de pidona dela.
Ela passou a me masturbar constantemente, usando a boca encaixada sempre na cabeça do pau. “Me dá leitinho?”. Disse ela com um tom manhoso. “Dou sim minha putinha safada!”. Então com muito tesão, bastou poucos minutos. Senti a vontade de gozar crescendo dentro de mim de maneira gradativamente e quando vi que iria gozar, Sibele percebeu e abriu a boca. Segurei no pau e mirei dentro da boca dela, derramando meu néctar no fundo de sua garganta. Sibele não perdeu tempo, abocanhando meu pau e chupando e bebendo tudo que saía de dentro de mim. Eu encurvava o corpo pra trás, num sinal de puro prazer. Meu corpo estava descontrolado, trêmulo. Segurei firme sua cabeça e empurrei meu pau o mais fundo que pude, fazendo Sibele engasgar. Mas ela se recompôs e terminou tudinho. O pau ainda teso foi todo lambido por ela. Nenhuma gota ficou pra trás, nada de resquícios do meu gozo.
Sibele ainda ficou brincando com o pau, passando ele no rosto. Abaixei e dei um delicioso beijo em sua boca, dividindo com ela todo o meu prazer. Fomos para uma revigorante ducha.
Os carinhos não cessaram e nossos beijos safados foram ficando ainda mais intensos. Debaixo da água quente que caía nos nossos corpos, as mãos iam procurando pontos de prazer. Eu segurava sua enorme bunda, puxando pra mim, encaixando sua boceta lisinha no meu pau. Enquanto minha boca cuidava de mamar deliciosamente seus seios fartos, mordendo os bicos rosados e fazendo Sibele gemer no meu ouvido. Da parte dela, suas mãos não paravam de me masturbar deliciosamente. Saímos da ducha direto pra cama, com os corpos molhados.
Eu estava faminto pela boceta de Sibele. Já conhecia a delícia que ela tinha no meio das pernas. Joguei ela na cama, abri suas pernas e fui me esgueirando entre elas. Fui beijando sua panturrilha, coxas e finalmente parei na virilha, a qual mordi e beijei incessantemente. Sibele gemia, entrelaçava as mãos entre meus cabelos anelados, puxava minha cara em direção à sua vagina. Mas eu queria maltratá-la, deixá-la completamente em êxtase, antes que eu desse a bocada certeira. Sua boceta rosada e lisa minava, escorrendo um delicioso mel pelo meio dela. Foi então que passei a língua começando do cuzinho e subindo em direção ao clitóris. Sibele se contorcia enquanto a língua passava, colhendo seu sabor e terminando no grelinho entumecido. Me fixei ao grelo inchado e passei apenas a ponta da língua, soltando às vezes pra descer até o cuzinho. Depois voltava. Refiz o processo várias vezes e Sibele gozava sem parar, me dando o seu néctar com fartura. Bebia tudo, sem desperdiçar nada.
De tanto gozar na minha boca, Sibele tremia. Então segurei em sua cintura e a virei de quatro pra mim. Ela empinou seu rabo delicioso, me dando a visão que eu tanto adorava: sua enorme bunda empinada. E antes que alguém pense que ela tinha uma bunda perfeita, lisinha e sem marcas, não era assim. Aliás mulher perfeita, só em revistas e com muito Photoshop. Mas assim como eu não me importo com isso hoje, eu também não me importava naquela época. Dei um tapa bem dado em cada nádega, fazendo a bunda tremer toda. Logo o sinal da mão apareceu e antes mesmo que ela gemesse, eu não me contive a ficar apenas olhando, caindo de boca no meio da bunda dela. Lambi seu cuzinho com satisfação e prazer, abrindo a bunda com as mãos e deixando o anel completamente à minha mercê. Enfiei a língua o mais fundo que pude, desejando aquele brioco, esfregando os dedos na boceta dela, que gozava sem parar. Adoro mulher que goza sem medo, sem frescuras e sem se segurar. Quanto mais ela gozava, mas eu ficava tarado por ela.
Me coloquei encaixado atrás dela. Apontei o pau pra sua boceta, mas queria surpreender Sibele. Passei a ponta do pau melada na entrada do seu cuzinho. Depois melei um pouco mais na boceta e voltei a colocar na entrada do cú. Fui empurrando e Sibele sem cerimônia, abriu as nádegas e aos poucos o pau foi sendo alojado. Com o pau todo dentro, comecei a tirar. Quando a cabeça ficou quase saindo, empurrei de volta, mas com força agora. Sibele gritou de dor, mas repeti tudo arrancando mais gritos e gemidos. Logo os gritos eram de prazer constante. Ela balançava aquele rabo, rebolava e pedia mais. Jogou os cabelos pra trás, os quais eu peguei e enrolei um chumaço na mão direita. Puxei com força, trazendo sua cabeça pra tráz, empinando ainda mais o seu corpo. Passei a foder Sibele com força, sentindo o seu corpo bater no meu e fazendo um barulho alto com o contato.
Sibele deitou-se e eu atrás dela. Encaixei o pau no seu cuzinho novamente e ela ditou o ritmo. Eu abria sua bunda com a mão, deixando o movimento mais cadenciado. Enquanto isso eu beijava seu pescoço, suas costas, sentindo o seu delicioso perfume. Tirava o pau todo pra fora, depois encaixava e socava fundo. Sibele gozou várias vezes, tendo seu rabinho preenchido pelo meu mastro duro.
Fizemos um delicioso papai-mamãe. Ainda permanecia socando forte no seu cuzinho, beijando sua boca e sugando seus deliciosos seios. Então veio minha vontade de gozar e tirando o pau de dentro do cuzinho, comecei a jorrar porra na sua barriga. Meu tesão era tão grande, que respingou do meu leite no seu rosto. Sua barriga e seios ficaram completamente tomadas pelo meu sêmen. Sibele passava as mãos, esfregando o prêmio no seu corpo. Eu olhava tudo, ainda segurando meu pau gozado, batendo com a cabeça no seu grelinho.
Depois de tanto gozar, nos restava apenas tomar uma outra ducha e nos prepararmos para continuarmos nossa vida separados pelo meu casamento. Mas Sibele tinha a cabeça feita e sabia que algo além disso, seria impossível

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

MINHA PRIMEIRA VEZ LESBICA


Esse conto é verídico!
Olá, me chamo Isabela, a Bela por amigos, tenho 25 anos.. Independente,moro sozinha e sou advogada... Bom sou loira,olhos verdes, pele branca,magra porem seios grandes e bumbum avantajado e durinho.
Eu sempre achei que gostasse de homem, até porque meu ultimo relacionamento durou 4 anos e deve um fim turbulento para ambas as partes....Mas não é isso que venho lhes contar. Há 3 ou 4 meses atras tive minha primeira relação lésbica, e nossa pra minha surpresa foi simplesmente INCRÍVEL!
Bom,tudo começou quando minha amiga Mila me chamou pra sair estava desaminada e nostálgica com o fim do meu relacionamento,de tanto ela insistir resolvi ir, era sábado mesmo não tinha nenhum trabalho para o final de semana...
Coloquei um vestido preto curto, um sapato de salto alto e maquiagem,brincos,anel e perfumes,arrumei o cabelo e lá estava eu voltando aos velhos tempo de balada... Peguei a Mila em casa e fomos para a tal festa, chegando lá muitos homens chegaram em mim ,troquei várias ideias e até mesmo alguns beijos mas não passou disso. Mila encontra umas amigas que se juntam com a gente, mas uma em especial me chamou a atenção, era a Duda, branca com os cabelos negros, uma pouco mais alta que eu e fazia a linha gostosa da academia, conversa vai conversa bem ,resolvemos ir embora como eu estava dirigindo não bebi, levei a Mila em casa e a Duda pediu uma carona, afinal ela ficava no mesmo caminho que eu mesmo... Foi ai que a coisa começou a despertar, ela perguntou se eu tinha namorado , respondi que não e eu fiz a mesma pergunta há ela, ela respondeu que não e que não gostava de homem e sim de mulheres, e aquilo de um certo modo me excitou, bom trocamos mais algumas palavras.... Chegamos no prédio dela e ela foi se despedir de mim e me beijou;um beijo molhado com uma pitada de safadeza ,foi chupando minha língua e mordendo meus lábios ,tudo aquilo foi molhando minha calcinha e eu fui beijando ela também e ela alisando minhas coxas e apertando meus seios. Ficamos nisso um tempo e ela perguntou se não preferia ir para algum lugar mais confortável,fiquei meio com receio pois nem conhecia ela direito mas resolvi ir,fomos para o meu apê. ; e casa sinaleira que parávamos sempre nos beijávamos e ela colocava a mão dentro do meu vestido apalpando meus seios, chegamos no estacionamento no prédio e ela me puxou no banco no carona e me beijou e já baixando meu vestido chupando, mordendo meus seios e passando a mão no minha boceta cheirou e lambeu os dedos, me arrumei e subidos de elevador... Chegando abri a porta e entramos tranquei a porta e já fui beijando ela pois aquilo tudo estava me excitando, a curiosidade estava falando mais alto. Fomos para meu quarto e empurrei ela na cama e fiz um leve Strip, tirando lentamente meu vestido, depois meu sutiã e por ultimo minha calcinha preta de renda pequena,ela me puxou e me virou na cama beijando meu pescoço,massageando meu seio com a mão, e foi descendo lambendo minha barriga,arranhando minhas coxas e mordendo minha virilha,já estava morta de tesão, ensopada ela abriu minha boceta e lambeu, mordeu,chupo meu clitóris estava duro, eu estava gemendo como nunca tinha gemido antes,apertava a cabeça dela com minha boceta, segurava com força seus cabelos, falava de baixo calão, estava completamente rendida a uma pessoa que mal conhecia, ela continuava chupando e penetrou dois dedos e continuou a me chupar, não demorou muito e gozei gozei como nunca tinha gozado antes, e ela chupou tudo e me deu seus dedos para chupar no inicio fiquei com nojo, mais depois acabei gostando. Eu quis retribuir o prazer recebido, brinquei nos seus peitos durinhos e já fui masturbando ela, ela implorava que eu a chupasse e fiz o que era tanto pedido, chupei no inicio meio sem jeito mas depois fui pegando o ritmo, chupei e penetrei nela minha língua e depois dois dedos e comecei a foder ela forte e beijando os peitos dela, não demorou muito e gozou, chupei os meus dedos,continuamos a nos beijar e acariciar , tomamos banho e fomos dormir.. Quando acordei ela já tinha ido embora )= , mas deixou um bilhete dizendo que adoraria repetir a dose , e que dessa fez ia trazer alguns acessórios rsrsrs.