Amor e odio parte 4


AMOR E ODIO 4
Melissa: Saia apresada da faculdade pois iria trabalhar no restaurante da tia Marta, o ônibus lotado, sendo esmagada pelas outras pessoas, com dificuldade vai abrindo caminho pelo ônibus em fim chega ao seu destino, desce anda pela rua e entra no restaurante a casa esta cheia e logo troca de roupa e vai ajudar os garçons a servi, distraída deixa uma bandeja cair, fazendo todos a olhar, junta com pressa as coisas e vai para a cozinha, sua tia pergunta o que estava acontecendo, pois ela estava no mundo da lua, e pergunta se é algum homem, nega e diz, por que tem que ter um homem no meio? A tia sorrir e diz se não é um homem é uma mulher por acaso diz brincando, me deixando sem palavras, a tia a olha nos olhos e pergunta o que esta acontecendo Melissa? assustada muda de assunto nada tia só estou com muitos trabalhos na faculdade só isso,
Fernanda esta no seu apartamento lendo alguns artigos científicos sobre doenças do coração, quando a campanha toca, abre e sua prima Renata entra,
Renata: Feh vamos sair, ir a uma balada?
Fernanda: Não estou afim Reh estou lendo uns artigos,
Renata insiste com Fernanda que acaba cedendo aos apelos da prima, se arruma e sai para a garagem, ia em direção a seu carro quando sua prima a puxa e sorrindo diz vamos no meu, então elas saem em direção a festa que Fernanda não estava afim de ir, chegando lá era uma rave, elas entram e encontram umas amigas de Renata que vão falar com ela,
Fernanda estava impaciente, Renata pergunta o que ela tinha, e ela diz que nada só um pouco de dor de cabeça, Renata diz nada que uma bebida não resolva, e sai em direção ao bar, trazendo doses de whisky, Fernanda toma os primeiros goles, as amigas as chamam para a mesa, chegando lá uma das meninas fica encarando Fernanda que não da atenção, elas confessam gritando pelo barulho, Gabriela uma mulher morena de parar o transito, corpão de academia cabelos cacheados e olhos verdes, não para de olhar Fernanda , então ela a chama para dançar, Fernanda: não obrigada eu estou um pouco cansada, Renata: da uma cotovelada que faz ela soltar um gemido ela olha a prima que esta a olhando com cara feia, e diz para Gabriela ela vai sim, Fernanda: olha a menina nos olhos e se levanta indo para a pista de dança, Gabriela a puxa para perto e pergunta se ela esta com medo dela, Fernanda: sorri e diz que ela não tem medo de nada, elas começas a danças e Gabriela fica se insinuando chegando cada vez mais perto, ela vai passando a mão pelas costas de Fernanda, e vai descendo a mão, ate que quando estava quase no bumbum Fernanda segura sua mão a tirando de lá, Fernanda estava incomodada, a todo momento a imagem de Mel vinha em sua cabeça, o seu sorriso seu jeito marreto, Fernanda fecha os olhos e vê o rosto de Mel, senti lábios encostando nos seus e puxa a menina para mais perto aprofundando assim o beijo, deixando a menina sem ar, então percebe o que esta acontecendo e empurra Gabriela que fica a olhando com estranheza, Me desculpa Gabriela mais não posso fazer isso,
Gabriela: Por que não gostou,
Fernanda: não, não é isso eu, eu só não posso,
Gabriela se aproxima e tenta beija novamente, me fazendo virar o rosto, olha realmente me desculpe mais eu não posso te beijar pensando em outra,
Gabriela: Se os outros beijos forem tão bons quando esse você pode sim,
Fernanda: realmente não posso então é melhor voltarmos pra mesa ok,
As duas seguem pra mesa e Renata pergunta por que voltaram tão cedo e Gabriela com cara de irritada diz pergunta a sua priminha e sai em direção ao bar
Renata: O que você fez com ela?
Fernanda: nada eu não fiz nada só quis beija-la,
Renata: Por que você não quis beijar essa deusa grega, o que esta acontecendo pode me falar logo,
Fernanda: Nada de mais só estou sem paciência para essas coisas,
Renata: fala logo você sem paciência pra pegar mulher rsrsr, esta doente?
Fernanda: não sua boba só estou saindo com alguém,
Renata: Quem é essa santa que esta operando esse milagre,
Nem eu mesma sabia o que Mel estava fazendo comigo, nunca fui de ter relacionamento serio, tão pouco com quem eu mal conhecia, a única coisa certa é que não consigo parar de pensar nela e isso esta me deixando sem rumo,
Renata: vai me responder ou vai ficar com essa cara de quem esta nas nuvens?
Fernanda: vou para casa que é bem melhor, estou com dor de cabeça e não estou mesmo com paciência de ficar aqui então não se preocupe vou pegar um taxi divirta-se e boa noite,
Em quanto isso Mel estava trabalhando e pensando todo tempo em Fernanda, o que ela estará fazendo, respira pesadamente e volta a servi as mesas, já era tarde e por fim termina de organizar tudo com o resto da equipe já passava de duas da madrugada e sua tia estava lhe deixando em casa,
Abro os olhos pesadamente sem vontade sem vontade de levantar, quando olho a hora pulo da cama já estava em cima da hora, corro pro banheiro e vou tomar banho, saiu às pressas e pego o ônibus para a faculdade,
Chegou cedo Fernanda diz Roberto que também havia chegado mais cedo,
Fernanda: pois é eu estava ansiosa pra ter aula?
Roberto: Já tomou café da manha?
Fernanda: Não mais estou esperando a Mel para tomamos juntas tenho umas coisas pra falar com ela,
Roberto: Ok mais pode ao menos tomar um suco comigo?
Fernanda olhava para a entrada principal na esperança de ver Mel entrando, pois queria vela estava com saudades,
Mel: Não acredito nesse transito há essa hora a aula já começou, estava suada pela lotação no ônibus e cansada pela noite mal dormida, desço e corro pela rua, então me lembro do dia que conheci Fernanda e um sorriso invade meus lábios quando estava na entrada sinto alguém me agarrando o braço, penso em Fernanda e me viro sorrindo, era Carla que me agarrava pelo braço, sinto certo descontento, ela sorri e me diz bom dia, eu de pronto dou bom dia e saímos andando em direção à aula, quando entramos na sala ainda de braços dados, o professor nos lança um sorriso e continua a falar, caminhamos para nossos lugares e Fernanda olha para mim e sorri sem muita vontade,
Fernanda: pensa no que acabava de ver, eu há espero e além de chegar atrasada vem com essa fulana a tira colo, por que essa menina fica se atirando pra cima da Mel, em fim vou prestar atenção na aula que eu ganho bem mais que isso,
Na hora do intervalo eu só queria falar com Fernanda ela dominava meus pensamento e nada mais me importava naquele momento, quando estou indo em sua direção Carla a enlaça pelo braço e sai a puxando para fora da sala com as meninas rindo e conversando a nossa volta, tento me soltar de seus braços mais em vão, estamos lá fora e a conversa esta animada ao menos para ela, não consigo presta atenção e nem ver a Fernanda em lugar algum, quando de repente sinto uma mão tirar meu braço do da Carla, era ela Fernanda estava com um olhar muito misterioso ela sorri debochadamente e diz, vou rouba-la de vocês agora ok,
Carla: na verdade estamos um pouco ocupas,
Mel: desculpe meninas mais tenho uns assuntos pra tratar com ela,
Então Fernanda sai me puxando pelo braço, indo em direção a cantina lá ela pede um sanduíche e um suco de laranja eu peço um suco de acerola e um sanduíche, nos sentamos e começamos a nos olhar, ela estava com os olhos de um azul tão profundo que eu chegava a ter a impressão que iria me perder dentro deles,
Fernanda: Queria tanto beijar sua boca agora,
Mel: nem me fale nisso não penso em outra coisa, e Fernanda morde os lábios inferiores me fazendo estremecer, meu corpo estava quente, era incrível o poder que ela exercia sobre mim, eu já me sentia molhada,
Fernanda: Vamos jantar hoje, você não se esqueceu né,
Mel: Não esqueci não estou ansiosa, onde vamos?
Fernanda: Isso é uma surpresa, bem mais hoje é sexta feira, então vamos passar o fim de semana juntas ok,
Mel: E você diz assim vamos passar o fim de semana juntas e pronto nem me pergunta se tenho outros compromissos nem nada, Fernanda levanta um pouco da cadeira erguendo seu corpo em minha direção, meu coração começa a bater rápido, ela me olha nos olhos, eu estou inquieta ela vem me olhando nos olhos chegando perto dos meus lábios, começo a respirar com dificuldade e não consigo pensar em mais nada, ela vai bem perto dos meus lábios e sobe para falar no meu ouvido fazendo com que meu corpo todo se estremeça, sinto seu cheiro me inebriar a alma,
Fernanda: Sim eu tenho certeza que você vai da um jeito de passamos o fim de semana juntas, afinal sei que você esta sentindo a mesma necessidade que eu,
Fico sem palavras meu corpo já não respondia, Fernanda volta a se sentar e fica me olhando com um olhar safado eu apenas balanço a cabeça em sinal positivo, em fim nossos pedidos chegam e nem mesmo assim nossos olhos se perdem um do outro, começamos a comer ela esta com um sorriso vitorioso nos lábios, afinal ela sabia do domínio que exercia sobre mim, eu que iria tirar o fim de semana para estudar, agora iria para não sei onde, com essa mulher da qual não sabia quase nada, apenas que me deixava louca, o resto da aula corre bem, almocei com minhas amigas, e Fernanda almoça com o idiota do Roberto, o que me deixa com ciúmes, voltamos a aula a tarde e seguem bem na hora de irmos em bora Fernanda olha em meus lábios e me pergunta se não quero uma corona, eu digo que não isso iria a tirar muito de sua rota, ela se aproxima e chega bem perto fazendo minhas pernas ficarem bambas,
Fernanda: Claro que não me desviará do meu caminho, pois meu caminho é você,
Me sinto nas nuvens ela me segura e pela mão e sai me levando em direção a seu carro, entramos e ela sai falando aos risos sobre como iriamos nos divertir, e a única coisa que conseguia pensar era em beijar sua boa, ela me perguntava o caminho para minha casa, eu ia respondendo, ela para em sinal vermelho havia uma pouco de engarrafamento, ela olha em meus olhos e me agarra de uma vez me beijando de forma faminta nossas línguas se encontram e começam uma dança ritmada e intensa, minhas mão se moviam sozinhas por seu corpo seguro um dos seis seios o apertando a fazendo soltar um gemido, ela começa a beijar meu pescoço, então começo a ouvi buzinas tão longe, então volto a mim e nos separo e olhos rindo o sinal já esta aberto, começamos a sorri e vamos para minha casa, chegando lá ela para na entrada do prédio e a beijo no rosto, ela me beija no cantinho da boca e fica rindo marotamente com cara de criança quando apronta, ela vai para casa pegar suas coisas, eu subo as pressas para arrumar minhas coisas, assim que chego pego uma mochila e vou jogando as coisas dentro, pego uma pequena mala e vou arrumando minhas roupas, bem iriamos passar apenas o fim de semana mais como ela não me disse que tipo de lugar era eu não sabia o que colocar na mala então coloquei umas calças diz e umas camisetas, uns vestidos leves e um vestido mais elaborado, coloquei short e pronto, fui colocando minhas maquiagens e meus produtos de beleza, por fim estava com a mala pronta, e vou tomar banho, saio do banho e vou me vestir, seco meu cabelo e fico esperando sentada no sofá, quando dou por mim estou acordando com o barulho do interfone, o porteiro dizendo que uma jovem estava a minha espera, eu pego a mochila e a pequena mala e vou a seu encontro, chegando lá o porteiro gentilmente nos ajuda a guardar a bagagem no carro e saímos para onde eu não sei, e a pergunto intrigada Fernanda para onde estamos indo,
Fernanda: estamos indo na chácara da minha avó, ela me intimou a ir passar o fim de semana lá e como queria ficar com você essa foi a solução, espero que não fique zangada comigo,
Mel: Como poderia ficar zangada com ela, mais estava suando frio pois iria conhecer sua família, não sabia o que dizer ou pensar, ela me olha e diz relaxa minha avó não morde, seguimos por umas duas horas moramos em Minas e subimos em direção a serra onde tinha as vinícolas do Brasil, já era por volta das 20hs o transito nos impedia de ir mais rápido Fernanda entra em uma rua não tão movimentada que logo a frente tem um enorme portão ela para o carro e fala ao interfone, boa noite Carlos dou eu Fernanda poderia abrir o portão por favor, o enorme portão se abre fazendo seguirmos por um caminho gigantescas palmeiras, levou um tempinho ainda para chegarmos era imenso o lugar começo a avistar uma casa enorme a frente, Fernanda estaciona e descemos do carro era uma casa antiga mais muito bem preservada e belíssima, no alto da escadaria principal estava uma senhora distinta de mais ou menos uns 65 anos, ela era muito bem conservada e muito distinta Fernanda sobe a escada correndo para abraças a senhora que imagino ser sua avó elas se abraçam demoradamente, Fernanda faz sinal para que eu suba as escadas, eu vou subindo com as penas bambas estava suando frio, por fim chego ate as duas, Fernanda começa nos apresentando dizendo que aquela era Henrietta sua avó e olhou piscando para a mesma dizendo essa aqui é a Melissa minha amiga vovó, as duas riram e a senhora pegou em minha mão que estava gelada, nossa minha filha como você esta gelada, vamos entrar assim você pode se aquecer, porem minhas mãos geladas era pelo nervosismos e não pelo frio, Fernanda pede ao homem grande e forte que estava nos esperando lá dentro para ele por favor pegar nossa bagagem entregando a ele a chave do carro e pedindo para colocar as malas em seu quanto as malas de ambas, sinto meu sangue gelar, a avó dela esta me olhando e tem os mesmos olhos de Fernanda ela sorri como se estive-se consentindo as palavras de Fernanda eu já não sentia minhas pernas, não havia dormido bem e não havia me alimentado bem pois no almoço mal conseguia comer pensando onde Fernanda iria me levar sinto tudo ficar preto e vou deixando meu corpo cair, sinto braços me aparando e não vejo mais nada, acordo no sofá com Fernanda me chamando e apertando de leve minhas bochechas, acordo e vejo seu olhar de preocupação, ela e sua avó estavam me fitando eu fico completamente vermelha, e me levanto de uma vez o que faz minha cabeça rodar, Fernanda puxa para me sentar, eu sento e a olhos nos olhos sorrindo, desculpe Fernanda deve ser por que não dormi ontem e não me alimentei bem hoje, Fernanda põem a mão na minhas testa e aproxima sua testa a minha deixando nossas testas coladas, ela me olha e sorri ainda com sua testa colada na minha, bem você não esta com febre, a Dona Henrietta nos chama olhando para Fernanda e dizendo, minha filha leve sua amiga para tomar um bom banho, subimos as escadas e Fernanda estava me colada em mim, eu já me sentia melhor, não sabia se tinha desmaiado pela falta de sono e comida ou pela emoção que estava passando, bem chegamos a seu quarto, nossa como era lindo, todo moderno e todo iluminado ela me leva para o outro lado do quarto que era enorme entrando em seu banheiro que era um luxo só, ela corre e coloca a banheira para encher, coloca sair de banho e vai a meu encontro me olhando nos olhos ela vai tirando minha blusa, e desabotoando minha calça, sinto meu corpo pegar fogo em cada lugar que ela toca ela rira meu sutiã e minha calcinha em deixando nua, estou cansada demais para sentir vergonha, ela me leva ate a banheira na qual entro e fico relaxando, ela começa a tirar suas roupas o que faz meu corpo ficar tenso e me enchendo de excitação, ao mesmo tempo sinto meu corpo pesado sem forças, ela faz sinal que vai entrar e se coloca detrás de mim e se senta me colocando entre suas pernas, e me trazendo para junto do seu corpo, sinto o calor de seu corpo, ao contato com seu corpo parece que o meu vai pegar fogo, ela coloca suas mão na minha barriga e fica ali sentada, eu começo a sentir meu corpo relaxar e aos poucos vou sentido uma vontade de dormi, ela me acorda uns 5 minutos depois, falando no meu ouvido, meu amor vamos sair ou vamos ficar enrugadas e começamos a rir, me levanto já me sentindo melhor, ela pega um roupão e me enrola, e pega outro para ela, saímos para o quarto, ela pede que me vista, e ela se veste, quando estamos ambas já vestidas ela me senta e seca meu cabelo, secando o dela também no embalo, depois ela pede que me deite na cama, eu digo que não precisa que já estou me sentindo melhor, ela pega em meu braço e me leva para a cama tirando meu short, me deixando só de camiseta e calcinha, pede que tire o sutiã, eu faço sem nem tirar a blusa, ela fica olhando meus seios que estavam turgidos e morde os lábios inferiores me fazendo ficar molhada de imediato, Fernanda balança a cabeça como quem quer afastar os pensamentos e sai do quanto dizendo que já volta,
Fernanda: Vovó onde a senhora esta umas das empregadas da casa diz que sua avó esta na cozinha, chegando lá sua avó estava falando com as meninas da cozinha,
Henrietta: Own minha filha como esta sua amiga?
Fernanda: esta melhor, ela só teve uma queda de pressão,
Henrietta: Então essa é a felizarda que esta no seu coração,
Fernanda: Não sei mal nos conhecemos mais não consigo parar de pensar nela nem um minuto se quer,
Henrietta: Bem então vamos ver no que isso vai da? Bem levando em conta que você nunca trouce uma de suas amigas aqui antes fala rindo, eu diria que esse já é um bom começo, agora pegue essa bandeja e vá jantar com ela, afinal ela precisa se alimentar.
Fernanda: tem razão vovó como sempre senhora é perfeita meu amor , então pego a bandeja com duas tigelas com sopa e com pequenos paizinhos, era a especialidade da minha avó, ela dizia que levantava ate defunto, chegando no quarto Mel fica envergonhada e diz que não quer da trabalho,
Não precisava eu poderia ter descido você não precisa fazer isso, então Fernanda me cala com um beijo, doce e sereno diferente dos outros, esse era cheiro de carinho e preocupação, ela pega a tigela de sopa que estava na bandeja que ela havia deixado no criado mudo e me entrega dizendo se você preferir eu te dou na boca me olhando com cara de safada, eu pego a sopa e começo a comer, estava uma delicia, logo que terminamos ela se deita ao meu lado me abraçando com carinho e afagando meus cabelos logo pego no sono,
Bem se quiserem saber como esta vão acordar é só falar .

Postar um comentário

Designed by OddThemes | Distributed by Gooyaabi Templates